Postagens Etiquetadas ‘Kenneth Branagh’

Assassinato no Expresso Oriente | Crítica | Murder on the Orient Express, 2017, EUA

Ao se afastar bastante do que já foi feito, o novo Assassinato no Expresso Oriente encontra uma identidade e se diferencia das outras versões.

Assassinato no Expresso Oriente | Crítica

Elenco: Kenneth Branagh, Penélope Cruz, Willem Dafoe, Judi Dench, Johnny Depp, Josh Gad, Derek Jacobi, Leslie Odom Jr., Michelle Pfeiffer, Daisy Ridley | Roteiro: Michael Green (Blade Runner 2049) | Baseado em: Assassinato do Expresso Oriente (Agatha Christie) | Direção: Kenneth Branagh (Thor) | Duração: 114 minutos

Lendas memoráveis sempre acham uma maneira de voltar, sendo elas verdadeiras ou não. É o caso do detetive belga de Agatha Christie e o Assassinato no Expresso Oriente, um filme que encontra na megalomania shakespeariana de Kenneth Branagh algo de moderno, mantendo a alma clássica. O diretor se afasta das outras versões do personagem – seja a do filme de Sidney Lummet, a encarnação de Peter Ustinov ou da série britânica com 13 temporadas com David Suchet – mudando trejeitos, alguns traços da personalidade e adicionando um humor que existe de maneira bem mais sutil na obra da escritora britânica, entregando uma obra que chama o interesse exatamente por tais exageros.

Leia mais

O Incrível Hulk e Thor | TigreCast #172 | Podcast

Depois da estreia de Ragnarok, conversamos das primeiras aparições de Hulk e Thor no Universo Cinemático Marvel no podcast. Ouve aí!

O Incrível Hulk e Thor | TigreCast #172 | Podcast

Já faz algumas semanas que Thor: Ragnarok estreou, então vamos voltar um pouco no tempo para lembrar como esses titãs do Universo Cinemático Marvel começaram na tela grande com O Incrível Hulk (The Incredible Hulk, 2008, Louis Leterrier) e Thor (Thor, 2011, Kenneth Branagh).

Tiago Lira (@tiagoplira), Cliff (@caradosgibis) e Marcelo Paradella (@bolapucc) lembram o caminho que o gigante esmeralda levou para chegar nessa versão, porque ainda não tivemos outro filme solo dele, as grandiosas cenas de ação, as homenagens à série de TV com Bill Bixby e Lou Ferrigno, do intrometido Edward Norton e como ele perdeu o papel para Mark Ruffalo. Também voltamos para Asgard e lembrar do carnaval que era a morada dos deuses nórdicos onde temos ângulos holandeses, do carisma de Chris Hemsworth e Tom Hiddleston, da dedicação aos papeis de Anthony Hopkins e mais detalhes desses filmes que fazem parte de um começo entrelaçado do Marvel Studios.

Leia mais

Reproduzir

Dunkirk | Crítica | Dunkirk, 2017, EUA

Dunkirk é um dos melhores trabalhos de Christopher Nolan, um filme de guerra onde se derrama alma e técnica.

Dunkirk (2017) Crítica

Elenco: Fionn Whitehead, Tom Glynn-Carney, Jack Lowden, Harry Styles, Aneurin Barnard, James D’Arcy, Barry Keoghan, Kenneth Branagh, Cillian Murphy, Mark Rylance, Tom Hardy | Roteiro e direção: Christopher Nolan (Interestelar) | Duração: 106 minutos

Nota 10 - um Tigre no cinemaO resgate das tropas inglesas na Operação Dínamo não é o momento mais lembrado da Segunda Guerra Mundial, mas não menos digno de homenagem para Christopher Nolan, como mostra em Dunkirk. Ao escolher focar não apenas nos combates, mas no drama humano, sem dar destaque demais para algum personagem em especial, a produção é uma homenagem ao espírito de união que resgatou mais 300 mil soldados ao invés da glorificação da guerra. O roteiro dosa combates aéreos, dramas pessoais e medos por meio dos personagens que servem de arquétipos para contar aqueles dias de maneira mais direta. Com poucos diálogos e bastante ação, a produção de Nolan traz o horror que é estar tão perto e ao mesmo tão longe de casa, num inferno que parece não haver escapatória.

Leia mais

Cinderela | Crítica | Cinderella, 2015, Reino Unido-EUA

Cinderella, 2015

Com Lily James, Cate Blanchett, Richard Madden, Stellan Skarsgård, Holliday Grainger, Derek Jacobi, Ben Chaplin, Sophie McShera, Hayley Atwell e Helena Bonham Carter. Roteirizado por Chris Weitz, baseado na obra de Charles Perrault e dos Irmãos Grimm. Dirigido por Kenneth Branagh (Operação Sombra: Jack Ryan).

5/10 - "tem um Tigre no cinema"Você sairá vislumbrando da sessão de Cinderela. Além disso, é um filme sincero, correto e extremamente bem feito, desde o figurino, passando pela fotografia e efeitos especiais e práticos. Mas não vai muito além disso. A inspiração do clássico desenho de 1950 está em vários elementos do filme, não sendo propriamente um remake, e vai à contramão de dar um ar sombrio, como algumas produções tem feito. É a mesma história, têm os mesmo conflitos, o mesmo tudo, com apenas uma ligeira diferença no trato da protagonista e o príncipe. Por isso, será lembrado mais pelo design de produção do que pela história em si.

Sinopse oficial

“Um filme live-action inspirado no clássico conto de fadas, Cinderela dá vida às eternas imagens da obra de arte de animação de 1950 da Disney com seus personagens reais em um espetáculo deslumbrante para uma geração inteiramente nova.”

Leia mais

Cinderela | Versão live action ganha primeiro trailer #NEWS

Cinderela | Veja o trailer

Hoje a Walt Disney Brasil liberou o primeiro trailer da versão live action de Cinderela, dirigido por Kenneth Branagh (de Operação Sombra – Jack Ryan). Dê o play aqui embaixo para ver a nova versão do conto de fadas.

Operação Sombra: Jack Ryan | Crítica | Jack Ryan: Shadow Recruit, 2014, EUA

Operação Sombra: Jack Ryan moderniza o personagem de Tom Clancy para um público que hoje é mais ávido por pancadas e tiros, mas ainda mantém a essência do analista.

Jack Ryan: Shadow Recruit

Com Chris Pine, Kevin Costner, Kenneth Branagh e Keira Knightley. Roteirizado por Adam Cozad e David Koepp (Homens de Preto 3), baseados na obra de Tom Clancy. Dirigido por Kenneth Branagh (Thor).

7/10 - "tem um Tigre no cinema"Jack Ryan chega à sua quarta encarnação no cinema rodeado por uma nuvem de dúvidas. O personagem criado por Tom Clancy fez sua carreira como um analista, e suas ações raramente chegavam às vias de fato. Nessa produção, o diretor Kenneth Branagh mantém um pouco dessa característica, e moderniza a história de Ryan ao inserir mais ação para um público ávido por ela. Não é uma total distorção da espírito original dos livros, e também não é um filme de ação com alguma novidade. Faz bem o serviço, mas há a sensação de que poderia ter sido mais.

Leia mais

Para cima