0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Poltergeist, 2015

Com Sam Rockwell, Rosemarie DeWitt, Jared Harris, Jane Adams, Saxon Sharbino, Kyle Catlett e Kennedi Clements. Roteirizado por David Lindsay-Abaire, baseado no original de Steven Spielberg, Michael Grais e Mark Victor. Dirigido por Gil Kenan (A Casa Monstro).

5/10 - "tem um Tigre no cinema"Remakes existem desde que Hollywood é Hollywood. É um método que você pode considerar honesto ou não, mas que também pode se tornar uma porta de entrada para que o público visite – ou revisite – um clássico. E o que Poltergeist: O Fenômeno traz é medo: e não medo de fantasmas ou cemitérios amaldiçoados, mas um grande receio de fazer o retorno ao filme de Tobe Hopper. Ainda que essa sensação com o original esteja errada para alguém que não o vê a anos, a versão atual é competente em vários aspectos, porém falha na principal que é assustar o espectador.

Sinopse oficial

O lendário cineasta Sam Raimi e o diretor Gil Kenan contemporizam o clássico sobre a família que vive em uma casa assombrada por forças malignas. Quando as terríveis aparições se tornam mais frequentes e a filha mais nova é capturada, a família deve se unir para resgatá-la antes que ela desapareça para sempre”.

O roteiro assinado por Lindsay-Abaire não faz questão de se distanciar do original, o que é ao mesmo tempo uma homenagem e um tiro no pé. Inclusive, há uma grande dificuldade em diferenciar uma história da outra se fosse para resumir o roteiro. Faça um exercício mental e tente diferenciar o original de 1982 para essa nova versão. Afinal, qual é a grande diferença entre um e outro, algo que justifique a produção deste? É difícil. Mesmo chegando ao fundo, é uma tarefa ingrata. O que não quer dizer que o filme não tenha bons momentos, mas é aquela mágica que sabemos como funciona e onde estão os espelhos e as fumaças.

Quanto à direção, há uma certa elegância nos movimentos de câmera de Kenan. Ele a usa como um objeto flutuante para indicar a presença de alguma presença, logo no fim do primeiro ato – essa presença maligna – e diferencia o enfoque nos personagens. Quando vemos a interação com os pais, os cortes são mais rápidos, consequentemente há pouco tensão. Já nos filhos, Kenan usa planos longos, e vamos acompanhando as crianças sem saber exatamente o que esperar na próxima virada de um ambiente para o outro. E a tecnologia tem um papel importante para a história atualizada. Nós que hoje não desgrudamos dos smartphones vamos nos identificar com algumas situações. E se você considerar que somos impulsos elétricos, faz todo o sentido a interferência que as almas têm nos aparelhos eletrônicos da casa.

A música de Marc Streitenfeld é usada de modo efetivo e até sutil. Ao invés de estar presente em todos os momentos da trama, ela se firma em momentos sim tensos, mas que ao mesmo tempo não forçam o clima de terror. E de maneira muito interessante, ela tem traços diégeticos. Vejam que nos primeiros tons tocados quando Griffin (Catllet) começa a explorar a casa sozinho, a música sobe suavemente como se fosse aquele zunido elétrico que você ouve quando liga a TV pela primeira vez. De certo, é um dos melhores pontos do filme.

Durante a projeção, nunca me saiu da cabeça que esse conto de terror – assim como no original – é uma alegoria sobre a alienação que a TV, expandida agora para a tecnologia, pode trazer. Maddy (Clements) é sugada para dentro dela por causa disso, e é importante que esse tema tenha sido mantido e, de maneira não tão clara, traz uma contestação que era comum tanto nos anos 1980 quanto agora.

Poltergeist: O Fenômeno (2015) | Pôster brasileiro

É difícil achar mais pontos positivos na nova versão de Poltergeist: O Fenômeno. Há pelo menos dois momentos horripilantes pela dor que eles podem causar – um envolvendo o pai Eric (Rockwell) e um operador de câmera – e as piadas com o filme original, com o médium Carrigan Burke (Harris) dizendo a clássica frase “essa casa está limpa”, mas em um contexto diferente, e o comentário sobre cemitério indígena, que vale mais que para os fãs pegarem a referência. Outros sustos são na base do pulo que vem na cara. E essa nova família não consegue criar nenhuma empatia. O efeito 3D é bem feito, principalmente na viagem ao submundo e até faz sentido narrativamente. Em geral, fica no ar que o propósito do filme é tão inócuo quanto a desnecessária cena entre créditos.

Veja o trailer do remake de Poltergeist: O Fenômeno

[críticas, comentários e voadoras no baço]
• email: contato@umtigrenocinema.com
• twitter: @tigrenocinema
• fan page facebook: http://www.facebook.com/umtigrenocinema
• grupo no facebook: https://www.facebook.com/groups/umtigrenocinema/
• Google Plus: https://www.google.com/+Umtigrenocinemacom
• Instagram: http://instagram/umtigrenocinema

http://www.patreon.com/tigrenocinema

 

Volte para a HOME