0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Lunar (Moon), 2009. Com Sam Rockwell e Kevin Spacey. Escrito e dirigido por Duncan Jones (Contra o Tempo). Sam Bell (Rockwell ) é um minerador lunar que está no fim de seu contrato de três anos, e em duas semanas voltará à Terra. Isolado e só com a companhia de GERTY (Spacey), um computador dotado de Inteligência Artificial, ele se vê num cenário atormentado, e começa a duvidar da própria sanidade.

Esse filme é a prova que não precisa de muita gente pra se fazer uma ótima ficção, já que Sam Rockwell é o único em cena por mais da metade do filme! O cenário espacial te hipnotiza, a atuação de Rockwell está perfeita (e sempre é assim quando ele faz papel de malucos). É perigoso me alongar na crítica, pois o receio de falar demais me preocupa. O roteirista/diretor te leva pra um cenários inóspitos da Lua, dentro de uma construção com uma só alma, seus devaneios e a imensa saudade que ele tem de casa. Numa jogada de mestre, o diretor te propõe situações de loucura e sanidade do personagem. A grande questão é uma visitada várias vezes na ficção científica: o que nos faz humanos. E até onde podemos aguentar a solidão. Me lembra vagamente um conto de Asimov, mas se é mesmo, foi uma coisa levemente baseada. Clint Mansell assina a trilha, dividindo os momentos mais grandiosos com música clássica, dando aquela pequena homenagem à 2001, apesar dos filmes seguirem caminhos diferentes. GERTY ganha personalidade com a voz de Spacey. E o jeito dele se expressar por emoticons na tela é algo que é tão comum para nós que usamos programas como o MSN que realmente se acredita que tem alguém do outro lado mandando essa imagens para nós. Notem também o trabalho de maquiagem do segundo personagem a habitar a estação espacial (Robin Chalk) e você vai entender e provavelmente terá a mesma dúvida que eu eu tive. O final emocionante, cheio de auto-sacrifício faz o filme encerrar com chave de ouro, sem dúvidas. Fico tentando achar falhas no roteiro para diminuir a nota, mas não consigo. Original e com um roteiro bem estruturado, merece a nota.

Volte para a HOME