Postagens Etiquetadas ‘viagem no tempo’

O Exterminador do Futuro | TigreCast #48 | Podcast

Discutimos todos os “O Exterminador do Futuro” com spoilers, mas nos centramos no primeiro. E damos nossas expectativas sobre Terminator: Genesis. Ouve aí!

tigrecast048

Bem-vindos à edição 48 do TigreCast, o podcast de cinema do tem um Tigre no cinema! Esse episódio não foi ao ar pelo Portal São Paulo Digital, por causa do feriado, mas você pode conferir aqui. E você pode ouvir as edições anteriores em https://umtigrenocinema.com/tigrecast

Sim, vamos falar de novo sobre viagem no tempo, mas foi totalmente sem querer. Semana que vem não tem esse tema. 😀

Tiago, o Tigre (@otigre1982), José Rodrigo Baldin (@JRodBaldin), Juliana Varella (Blogueiras SA) e Matheus Souza (@matheusdes) discutem o passado e o futuro de O Exterminador do Futuro (The Terminator, 1984, Dir James Cameron). Discutimos todos os filmes com spoilers, mas nos centramos especialmente no primeiro. E damos nossas perspectivas sobre Terminator: Genesis, novo filme da franquia previsto para julho de 2015.

Dê o play aqui embaixo, ó:

Ou clique AQUI com o botão direito do mouse e escolha “Salvar destino/link como…”

[papo cinéfilo]
• Nossos primeiros filmes com nossos eternos namorados

[momento musical]
• Intimacy (Linn Van Hek), da trilha sonora de O Exterminador do Futuro

[podcasts relacionados]
O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final | TigreCast 97
Brucutu Style | TigreCast #007

[críticas, comentários e voadoras no baço]
• email: contato@umtigrenocinema.com
• twitter: @tigrenocinema
• facebook: http://www.facebook.com/umtigrenocinema
iTunes: assine aqui
• FEED: assine aqui

Reproduzir

Looper – Assassinos do Futuro | Crítica | Looper, 2012, EUA

Looper – Assassinos do Futuro é um filme que aborda a viagem no tempo de maneira criativa, misturando ação, humor e alguns momentos e hard science.

Looper - Assassinos do Futuro

Com Joseph Gordon-Levitt, Bruce Willis, Emily Blunt, Paul Dano, Noah Segan, Piper Perabo, Jeff Daniels, Pierce Gagnon, Tracie Thoms, Frank Brennan, Garret Dillahunt, Nick Gomez e Marcus Hester. Roteirizado e dirigido por Rian Johnson.

Não é fácil trabalhar com histórias que envolvam viagem no tempo. Os mais exigentes podem questionar fatores como os desdobramentos e realidades paralelas. Quem não está muito interessado pode se perder a história. Rian Johnson (que vem de uma carreira curta) nos apresenta um filme muito envolvente, fluido e coeso. Apesar de em dois momentos o diretor criar uma explicação, o que ao meu ver não seria necessário, Looper é um filme quase completo: dramático, com ação, redenção e ainda acha espaço para pequenos momentos de humor e outros mais doces. O que o faz ser um dos melhores filmes de ficção científica dos últimos anos, e um dos mais interessantes de 2012.

Leia mais

Homens de Preto 3 | Crítica | Men in Black 3, 2012, EUA

Homens de Preto 3 não supera o primeiro filme da franquia, conta com alguns furos, mas é divertido.

Homens de Preto 3

Com Will Smith, Tommy Lee Jones, Josh Brolin, Jemaine Clement, Michael Stuhlbarg, Alice Eve e Emma Thompson. Roteirizado por Etan Cohen (Trovão Tropical), David Koepp (Missão Impossível), Jeff Nathanson (Prenda-me se for capaz) e Michael Soccio. Dirigido por Barry Sonnenfeld (Homens de Preto)

Os dez anos que separaram “Homens de Preto 3” de seu antecessor fizeram bem para a franquia e para esquecermos um filme esquecível. Parece até que essa é a continuação direta do original. O filme abraça mais o mundo da ficção científica com um dos poucos temas que faltava abordar, aliando-se com uma boa história com doses de ação, momentos tocantes e pequenas homenagens que vão desde o visual, diálogos e até os sons. A história não supera a da primeiro filme da franquia, conta com alguns furos, mas é divertido, merecendo alguns minutos a mais para fechar a produção com menos correria.

Leia mais

Te Amarei Para Sempre | Crítica | The Time Traveler’s Wife, 2009, EUA

Não se deixe levar pela opção brasileira de açucarar o título, pois com o nome original diz “A Mulher do Viajante do Tempo” é bem mais importante que apenas Te Amarei Para Sempre.

Te Amarei Para Sempre

Com Eric Bana, Rachel McAdams, Ron Livingston e Stephen Tobolowsky. Escrito por Jeremy Leven (Don Juan DeMarco) e Bruce Joel Rubin (Ghost – Do Outro Lado da Vida). Baseado no romance de Audrey Niffenegger. Dirigido por Robert Schwentke (Plano de Voo).

Não se deixe levar pela opção brasileira de açucarar o título. O nome original é “A Mulher do Viajante do Tempo”! Nerds de plantão como eu se levaram pelo título original. Suas namoradas/esposas, pelo título brasileiro (nem em Portugal mexeram no título). Foi um risco da distribuidora, e digo que sempre um filme tem que manter seu título original (talvez ache três exceções). Apesar de ser um filme romântico, o título “A Mulher do viajante do tempo” mantém a importância tanto ao viajante Henry (Bana) e Clare (Rachel). E acredito que original à todos. Enfim. Leia mais

Contra o Tempo | Crítica ,Source Code, 2011, EUA

Uma crítica curta para o inteligente Contra o Tempo, de 2011.

Com Jake Gyllenhaal, Michelle Monaghan e Vera Farmiga. Escrito por Ben Ripley (A Experiência III) e dirigido por Duncan Jones (Lunar).

O código-fonte é um programa militar, onde é possível assumir a identidade de outra pessoa nos seus últimos oito minutos de vida. O Cap Colter Stevens (Gyllenhaal) está dentro do código-fonte para descobrir a identidade de um terrorista que explodiu uma bomba dentro de um trem, e que matou a pessoa a qual a identidade ele agora incorpora.

Faltam filmes de ficção inteligentes assim no cinema. O filme nos dá base científicas para o que está acontecendo. Mas, se você disser que não gostou porque é o cenário é impossível, você é apenas um físico, e não um apreciador de cinema. O cenário é direto, não te dá distrações, sendo possível você sacar qual a situação de Colter sem muito esforço. Também é um filme de romance, além de mexer com o brio patriota do personagem, que é questionado se não valeria a pena morrer incontáveis vezes pelo seu país. O ponto negativo fica mais uma vez pela trilha sonora de Chris Bacon, que não te passa a emoção que o filme precisa. Acho também que o filme deveria ter terminado cinco minutos antes. Seria mais poético, mas também minaria as chances desse virar série de TV.

Uma curiosidade é que não é a primeira vez que esse tipo de “viagem no tempo” foi usada. Existe uma série de TV chamada “Quantum Leap” (que aqui se chamava “Contatempos”) onde a situação era a mesma, com o personagem viajando pela consciência das pessoas. É tanto assim que o fime tem uma ponta do personagem principal da série, Scott Bakula, como o pai do Cap Colter.

[críticas, comentários e voadoras no baço]
• email: contato@umtigrenocinema.com
• twitter: @tigrenocinema
• fan page facebook: http://www.facebook.com/umtigrenocinema
• grupo no facebook: https://www.facebook.com/groups/umtigrenocinema/
• Google Plus: https://www.google.com/+Umtigrenocinemacom
• Instagram: http://instagram/umtigrenocinema

http://www.patreon.com/tigrenocinema

OU

Agora, você não precisa mais de cartão internacional!

 

Volte para a HOME

 

Primer | Crítica | Primer, 2004, EUA

Primer é um é um verdadeiro marco nas histórias de viagem no tempo, um filme que tem que ser assistido com atenção e mais de uma vez. Leia a crítica!

Com Shane Carruth e David Sullivan. Escrito e dirigido por Shane Carruth. Dois físicos trabalham juntos em um projeto quando, acidentalmente, criam uma máquina do tempo.

Partindo do princípio de que vários avanços científicos foram descobertos por acidente, “Primer” pega um tema que já foi usado centenas de vezes e nos dá uma visão científica do caso. Mas é tão científico e tão detalhista que você vai ficar metade do tempo perdido nas explicações. Eu vi sem legendas, e tive partes em que voltei duas ou três vezes para pegar o que estava acontecendo. A relação entre os amigos vai mudando ao longo do curto filme, passando por dúvidas éticas, filosóficas e da física. A premissa é “e se funcionasse”, que depois passa para um “o que poderia dar errado”. No final, se você não for um físico/matemático, seus olhos vão ficar tortos e seu cérebro vai ter um nó. O melhor do filme é que o valor investido (US$ 7 mil) não dá um ar de algo mal-feito nem mal-atuado. Além disso mexe com questões do dia-a-dia, ao que você se pergunta se faria como eles. Apesar de competente, não é um primor de direção, e o ritmo podia ser mais simples para a mentes mais limitadas, como a minha, entenderem. Prepare-se para muitas viagens, dúvidas quânticas, dimensões paralelas e como tudo isso vai afetar os personagens e pra dizer, várias vezes, “eu não entendi”. Premiado em Sundance, é um filme crânio. Talvez até demais. “Primer” não foi lançado no Brasil, nem em festivais, pelo que eu sei. Só se pode adquirir DVD importado, que está bem caro e fora dos padrões do preço da mídia.

[críticas, comentários e voadoras no baço]
• email: contato@umtigrenocinema.com
• twitter: @tigrenocinema
• fan page facebook: http://www.facebook.com/umtigrenocinema
• grupo no facebook: https://www.facebook.com/groups/umtigrenocinema/
• Google Plus: https://www.google.com/+Umtigrenocinemacom
• Instagram: http://instagram/umtigrenocinema

http://www.patreon.com/tigrenocinema

OU

Agora, você não precisa mais de cartão internacional!

 

Volte para a HOME

 

Para cima