Postagens Etiquetadas ‘Tim Roth’

Os Oito Odiados | Crítica | The Hateful Eight (2015) EUA

The Hateful Eight, 2015

Com Samuel L. Jackson, Kurt Russell, Jennifer Jason Leigh, Walton Goggins, Demián Bichir, Tim Roth, Michael Madsen, Bruce Dern. Roteirizado e dirigido por Quentin Tarantino (Cães de Aluguel).

Tarantino está de volta mostrando que a história americana foi escrita a sangue. E que não foi nada bonito.

8/10 - "tem um Tigre no cinema"Os Oito Odiados é longo, não economiza película – literalmente, já que a produção foi original concebida em 70mm, apesar de não podermos vê-la assim no Brasil. Por isso acaba sendo contemplativo e até difícil de acompanhar. Porém, é uma produção interessante desde a tipografia usada no título do filme, na épica trilha de Ennio Morricone, no desenvolvimento dos personagens pelos diálogos e no belíssimo contraste do vermelho com o branco. O clima de mistério envolvente nesse faroeste invernal – algo bem incomum no gênero – não é o melhor trabalho do diretor, mas ainda é um bom filme com o já tradicional humor e ação de Quentin Tarantino.

Leia mais

Pulp Fiction | TigreCast #106 | Podcast

Pulp Fiction | Podcast

Say ‘what’ again. Say ‘what’ again, I dare you, I double dare you motherfucker, say what one more Goddamn time!” – Jules Winnfield

Quentin Tarantino: produziu pouca coisa até agora. Mas tudo o que ele fez, merece ser discutido. Então, é hora de voltarmos a 1994 para falar de Pulp Fiction: Tempo de Violência (Pulp Fiction), filme que conta no elenco com John Travolta, Samuel L. Jackson, Uma Thurman, Harvey Keitel, Tim Roth, Amanda Plummer, Ving Rhames, Eric Stoltz, Rosanna Arquette, Christopher Walken e Bruce Willis.

No podcast de hoje, Tiago Lira, o Tigre (@otigre1982), Marcelo Zagnoli (@marcelozagnoli) e Matheus Des (@matheusdes) conversam sobre 1994, o que esses atores já fizeram, small talk, filmes indie, construção de diálogos e, claro, violência e o que Tarantino quis dizer com ela.

Leia mais

Reproduzir

Selma: Uma Luta Pela Igualdade | Crítica | Selma, 2014, EUA

Selma, 2014

Com David Oyelowo, Tom Wilkinson, Carmen Ejogo, Andre Holland, Tessa Thompson, Giovanni Ribisi, Lorraine Toussaint, Stephan James, Wendell Pierce, Common, Alessandro Nivola, Keith Stanfield, Cuba Gooding Jr., Dylan Baker e Tim Roth. Roteirizado por Ava DuVernay e Paul Webb. Dirigido por Ava DuVernay.

10/10 - "tem um Tigre no cinema"É absurdo lembrar que os casos descritos em Selma: Uma Luta Pela Igualdade estão apenas meio século atrás de nós. Ao contar uma parte horrível da história americana, a diretora Ava DuVernay faz uma reflexão necessária de um povo que, por muito tempo, colocou de lado e marginalizou grande parte de sua população, mesmo anos depois do fim da escravidão. Esse é um tema histórico, mas que nada tem de antigo e que faz um triste paralelo com outros eventos hoje, e mancha a face da nação mais poderosa do mundo.

Sinopse oficial

Selma: Uma Luta Pela Igualdade é a história da luta histórica Dr Martin Luther King Jr (Oyelowo) para garantir o direito de voto para os afro-americanos – uma campanha perigosa e assustadora, que culminou com a marcha épica de Selma a Montgomery que galvanizou a opinião pública norte-americana e convenceu o presidente Johnson (Wilkinson) a introduzir a Lei dos Direitos de Voto em 1965.

Leia mais

Cães de Aluguel (Reservoir Dogs, 1992, EUA) [Crítica]

Com Harvey Keitel, Tim Roth, Chris Penn, Steve Buscemi, Lawrence Tierney e Michael Madsen. Escrito e dirigido por Quentin Tarantino (Kill Bill).

“Cães de Aluguel” é um filme cheio de ótimos momentos, que não são prejudicados pela falta de linearidade. Quentin Tarantino nos mostra a história desse jeito para que criemos empatia com os personagens. Apesar de criminosos, os cinco senhores das cores estão na jornada do herói, e se fossem mostrados como um bando que planejava roubar jóias, e que na figura do Sr Golde não tinha muito valor para com a vida humana, não seriam os personagens marcantes que são. A introdução mostrando o conhecimento de cultura pop nos mostra que esses criminosos não pensam apenas no que vão fazer. Filosofar sobre esses assuntos é uma quebra do perfil normalmente atribuído à um ladrão em outros filmes de crime, onde a cena introdutória é a revisão do plano de ação. E isso tudo para servir a díspar cena seguinte, com um dos personagens que acabamos de conhecer ensanguentado e chorando desesperadamente pelo medo de morrer.

Leia mais

Para cima