Postagens Etiquetadas ‘Sterling Jerins’

Horas de Desespero | Crítica | No Escape, 2015, EUA

Horas de Desespero é um eficiente e tenso thriller de ação, mas tem muitos problemas.

No Escape, 2015

Com Owen Wilson, Lake Bell, Sterling Jerins, Claire Geare e Pierce Brosnan. Roteirizado por John Erick Dowdle, Drew Dowdle. Dirigido por John Erick Dowdle.

6/10 - "tem um Tigre no cinema"Há uma mistura de sentimentos depois de assistirmos Horas de Desespero, uma sensação que está ao alcance de um braço, mas ainda fica difícil de notar. Ainda que seja uma produção embalada nos mesmos moldes dos filmes de ação, o diretor John Erick Dowdle consegue afastar seus personagens de gente como Bryan Mills ou Frank Martin e ainda é seguro o suficiente na direção para criar uma trama tensa. Por outro lado, a problemática desenvoltura dos inimigos como se fosse uma horda de zumbis é o ponto mais fraco do filme. Um pouco mais de tato nessa questão destacaria mais a produção que, infelizmente, resolver tomar o caminho mais fácil.

Leia mais

Guerra Mundial Z | Crítica | World War Z, 2013, EUA

Guerra Mundial Z é um ótimo exemplo do que um blockbuster deve ser. O problema é que o caos fora da tela se reproduziu do lado de dentro.

Guerra Mundial Z, 2013

Com Brad Pitt, Mireille Enos, Fana Mokoena, Daniella Kertesz, David Morse, Matthew Fox, Abigail Hargrove e Sterling Jerins. Argumento de Matthew Michael Carnahan e J Michael Straczynski. Roteirizado por Matthew Michael Carnahan, Drew Goddard e Damon Lindelof, baseado no romance de Max Brooks. Dirigido por Marc Foster (007 Quantum of Solace).

7/10 - "tem um Tigre no cinema"Justiça seja feita. Guerra Mundial Z tem tudo que se espera de um blockbuster. Boas sequencias de ação, um ator com força e carisma, produtores poderosos, e a aval de um grande estúdio. Tudo parecia ir bem até as notícias do dinheiro que foi gasto com refilmagens e a pressa em trazer gente para rever partes da história, o que resultou em três roteiristas escrevendo e reescrevendo tanto o argumento quanto o roteiro. O caos da produção se refletiu na tela e, apesar de ter várias qualidades, o resultado é apenas um filme bom, mas com a impressão que poderia ter sido muito melhor.

Leia mais

Para cima