Postagens Etiquetadas ‘Nazismo’

Bastardos Inglórios | TigreCast #52 | Podcast

Bastardos Inglórios: metalinguagem, ação, sangue, comédia e vingança.

Bastardos Inglórios

Quentin Tarantino: um cinéfilo muita vezes tido como plagiador. Pra quem acha o contrário, Tiago, o Tigre (@otigre1982), Marcelo Zagnoli (@marcelozagnoli) e Matheus Deus (@matheusdes) te provam errado dissecando Bastardos Inglórios (Inglourious Basterds, 2009).

Discutimos Tarantino em si, metalinguagem, a mistura de ação, sangue, comédia, vingança e o fetiche por pés do diretor. Aproveitamos para reescrever a História e lembra-los que o Coronel Hans Landa é o protagonista da história!

Atenção: spoilers liberados do começo ao fim!

Dê o play aqui embaixo, ó:

Ou clique AQUI com o botão direito do mouse e escolha “Salvar destino/link como…”

[papo cinéfilo]
• Cinemark faz especial com O Poderoso Chefão, Forrest Gump, Lawrence da Arábia e outros clássicos na sua rede.

[momento musical]
Cat People (David Bowie) da trilha sonora de Bastardos Inglórios

[críticas, comentários e voadoras no baço]
• email:
contato@umtigrenocinema.com
• twitter:
@tigrenocinema
• facebook:
http://www.facebook.com/umtigrenocinema
iTunes:
assine aqui
• FEED:
assine aqui

[apoio]
Portal São Paulo Digital

Volte para a HOME

 

Reproduzir

Moloch | Crítica | Молох, 1999, Rússia

Crítica curta do filme Moloch, de Alexander Sokurov.

Moloch

Com Leonid Mozgovoy e Yelena Rufanova. Escrito por Yuri Arabov e Marina Koreneva. Dirigido por Alexander Sokurov (Arca Russa). Filme biográfico de Aldof Hitler e Eva Braun, enquanto estão hospedados nos Alpes suíços. A ideia é humanizar o führer.

Adolf Hilter (Mozgovoy) é mostrado como uma figura frágil e doente, mas também dançante e um tanto bobo. Até mesmo inocente quando Eva (Yelena) diz ele que deveria mandar o cineasta de um documentário sobre os avanços da II Guerra Mundial para Auschwitz, pois o fuhrer não aprovou a direção. No que Hitler pergunta “Mas que lugar é esse?”. Ainda, o diretor faz jus à figura cruel do líder nazista, quando ele nega o perdão à uma pessoa desconhecida, quando um padre vem pessoalmente pedir pela sua libertação. Isso tudo acontece num cenário as vezes estático, que lembra uma pintura fummeti. Por ser um filme de tom documentário, a trilha sonora acaba sendo os sons do ambiente, e as músicas que tocam em velhos gramofones. É um filme arte, mas não tão belo quanto Arca Russa.

[críticas, comentários e voadoras no baço]
• email: contato@umtigrenocinema.com
• twitter: @tigrenocinema
• fan page facebook: http://www.facebook.com/umtigrenocinema
• grupo no facebook: https://www.facebook.com/groups/umtigrenocinema/
• Google Plus: https://www.google.com/+Umtigrenocinemacom
• Instagram: http://instagram/umtigrenocinema

http://www.patreon.com/tigrenocinema

OU

Agora, você não precisa mais de cartão internacional!

 

Volte para a HOME

 

Para cima