Postagens Etiquetadas ‘Monstros da Universal’

A Múmia (1932) | TigreCast #169 | Podcast

A Múmia | TigreCast #169 | Podcast

He went for a little walk! You should have seen his face!” – Ralph Norton

Voltando aos anos 1930, uma época diferente no cinema, mas que teve uma grande importância para os filmes de terror. Pois mesmo 75 anos esses personagens ainda fazem a cabeça das pessoas. Hoje é dia de visitar a tumba de Imhotep na sua busca pela sua amada Anck-Su-Namun em A MÚMIA (The Mummy) do diretor Karl Freund com o grande Boris Karloff no elenco, contando ainda com Zita Johann, David Manners, Arthur Byron e Edward Van Sloan 

Nesse podcast Tiago Lira (@tiagoplira), Alex Gonçalves (@agmcinefilo) e Cliff falam da filmografia de 1932, do que acontecia nessa época pré-código Hays, por onde o elenco andou antes e depois desse filme, e a origem do diretor Freund na cinematografia e sua contribuição na área da fotografia e lembramos também da fascinação sobre a egiptologia. Discutimos o ritmo do filme, seus acertos e erros nesse filme que sofreu muito com o baixo orçamento e teve que se virar apenas com o clima e a atmosfera.

Leia mais

Reproduzir

A Múmia | Crítica | The Mummy, 2017, EUA

O primeiro passo dado no Dark Universe em A Múmia é confuso, pouco divertido e aposta mais na ação do que no terror que os inspirou.

A Múmia (The Mummy) 2017

Elenco: Tom Cruise, Sofia Boutella, Annabelle Wallis, Jake Johnson, Courtney B. Vance, Marwan Kenzari, Russell Crowe | Roteiro: David Koepp, Christopher McQuarrie, Dylan Kussman | Argumento: Alex Kurtzman, Jon Spaihts, Jenny Lumet | Direção: Alex Kurtzman (Bem Vindo à Vida) | Duração: 107 minutos | 3D: Irrelevante

Imagine um universo regido por deuses e monstros. Imagine um universo regido por boas histórias, com bons diretores, maturando com o tempo. É bom que você imagine porque não é isso que encontramos no remake de A Múmia, um dos filmes menos inspirados dos últimos tempos. Existe uma tentativa de fazer um universo coeso desde agora e o paralelo com o filmes de super-heróis não escapa da nossa mente com o Dark Universe chegando. Mas a primeira incursão é uma costura de clichês de outras aventuras, tem uma direção que não consegue manter o foco e um roteiro cheio de conveniências e ex-machinas. Não é um pontapé inicial certeiro, confirmando uma impressão de que houve correria para criar esse novo-velho mundo só depois que essa produção já tinha começado.

Leia mais

Para cima