Postagens Etiquetadas ‘lars von trier’

Anticristo | TigreCast #114 | Podcast

Anticristo | TigreCast 114 | Podcast

Now I could hear what I couldn’t hear before. The cry of all the things that are to die.” – Ela

Estamos comemorando 4 anos de site, e por isso vamos revisitar um pouco da nossa história.

Poucos diretores mexem conosco de um jeito que pode ser considerado bom ao mesmo tempo ruim. Assim é Lars von Trier que trouxe em 2009 um dos seus filmes mais perturbadores: Anticristo (Antichrist) com Charlotte Gainsbourg e Willem Dafoe.

Tiago Lira, o Tigre (@otigre1982), Marcelo Zagnoli (@marcelozagnoli) e Matheus Des (@matheusdes) tentam entender o título, os símbolos e signos enquanto fazem uma jornada pela mente de von Trier passando por depressão, possíveis misoginias, psiquiatria e a perturbadora beleza do filme.

E, como sempre, SPOILERS liberados!

Leia mais

Reproduzir

38ª Mostra de Cinema de São Paulo | Coletiva de Imprensa | #NEWS

38ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

A 38ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo está chegando. Entre os dias 16 e 29 de outubro, você terá oportunidade de ver filmes de todos os cantos do mundo, e ainda terá uma retrospectiva do diretor Pedro Almodóvar, responsável por filmes como Kika, Má Educação e A Pele Que Habito.

Fui convidado pelo Assessoria de imprensa para participar da Coletiva de Imprensa que aconteceu hoje no CineSesc, com a presença dos apoiadores, tanto de empresas como do governo municipal e de outros jornalistas e críticos da área, como o Blogueiras S.A. e o Fala, Cinéfilo.

A 38ª Mostra homenageia o cinema espanhol. Além do principal homenageado – Almodóvar – também poderemos ver cópias restauradas de O Cão Andaluz, de Luís Buñuel e filmes do cineasta Víctor Erice (O Espírito da Colmeia, O Sul e O Sol do Marmelo).

Outros destaques são o lançamento do documentário Jia Zhangke, Um Homem de Fenyang, dirigido pelo brasileiro Walter Salles (de Na Estrada). Zhangke é um diretor chinês conhecido por filmes como Em Busca da Vida (2006) e Um Toque de Pecado (2013). Infelizmente, a Mostra não exibirá filmes do diretor chinês para conectar os temas. Mas será lançado o livro “O Mundo de Jia Zhangke”, organizado por Salles e escrito pelo crítico francês Jean-Michel Frodon.

Também poderemos ver a famosa Trilogia das Cores (A Liberdade é Azul, A Igualdade é Branca e A Fraternidade é Vermelha), do diretor Krzysztof Kieslowski, que faz parte de uma homenagem maior ao diretor e produtor Marin Karmitz.

No aniversário de Carlitos, personagem de Charles Chaplin, serão exibidos na parte externa do Auditório do Ibirapuera, o curta Corrida de Automóveis para Meninos – primeira aparição do personagem -, de Henry Lehrman e do longa O Circo, dirigido e estrelado pelo próprio Chaplin. Numa dessas coincidências, a filha do cineasta, Geraldine Chaplin, estará presente para apresentar Dólares de Areia, filme que ela também estrela.

E Teremos a oportunidade de ver as versões estendidas de Ninfomaníaca (Lars von Trier).

Quem se interessa pelo cinema japonês, a Mostra exibirá também um pedaço da filmografia de Noboru Nakamura em cópias restauradas: Lar Doce Lar (1951), Quando a Chuva Cai (1957) e Paixão Mórbida (1964).

38ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo | Pôster

Para quem está ligado nas premiações internacionais, a 38ª Mostra trará os premiados Um Pombo Pousou Num Galho Refletindo Sobre A Existência (Roy Andersson), vencedor do Leão de Ouro em Veneza; As Noites Brancas do Carteiro (Andrei Konchalovskiy), Leão de Prata em Veneza; Winter Sleep (Nuri Bilge Ceylan), Palma de Ouro em Cannes;  e Foxcatcher – Uma História Que Chocou, melhor direção em Cannes.

Entre os convidados confirmados estão Laurent Cantet, Mania Akbari, Guillermo Arriaga, Marianne Slot, Marin Karmitz, Walter Salles, Jia Zhangke, Jean-Michel Frodon, Luis Miñarro, Mariana Rondon, Geraldine Chaplin, Luís Urbano e Fernando Castets.

Você pode ver a lista dos 331 filmes no site da Mostra, clicando aqui.

Informações sobre ingressos e pacotes especiais podem ser vistas clicando aqui.

 

Volte para a HOME

 

Ninfomaníaca | TigreCast #41 | Podcast

tigrecast041

Bem-vindos à edição 41 do TigreCast, o podcast de cinema do tem um Tigre no cinema! Se você perdeu a transmissão pelo Portal São Paulo Digital, pode conferir aqui. E você pode ouvir as edições anteriores em http://umtigrenocinema.com/tigrecast

É hora de falarmos do polêmico diretor Lars von Trier e do mais polêmico ainda Ninfomaníaca. Entre discussões se é ou não pornografia, psicanálise e méritos artísticos estão Tiago, o Tigre (@otigre1982), Juliana Varella (Blogueiras S.A) e Marcelo Zagnolli (@marcelozagnolli).

Este programa contem spoilers!

Dê o play aqui embaixo, ó:

Ou clique AQUI com o botão direito do mouse e escolha “Salvar destino/link como…”

[papo cinéfilo]
• Os filmes mais difíceis da nossa vida

[momento musical]
Hey JoeCharlotte Gainsbourg (da trilha sonora de Ninfomaníaca)

[leia também]
Ninfomaníaca – Volume 1 | Crítica
Ninfomaníaca – Volume 2 | Crítica

[críticas, comentários e voadoras no baço]
• email: contato@umtigrenocinema.com
• twitter: @tigrenocinema
• facebook: http://www.facebook.com/umtigrenocinema
• FEED: assine aqui

[bg songs]
“The Complex”, “Despair and Triumph”, “Decline”, “Egmont Overture”, “Wounded”, “Long Note Four”: ALL by Kevin MacLeod (incompetech.com)
Licensed under Creative Commons: By Attribution 3.0
http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/




Volte para a HOME

 

Reproduzir

Ninfomaníaca – Volume 2 | Crítica | Nymphomaniac – Volume 2, 2014, Dinamarca-Alemanha-França-Bélgica

Nymphomaniac - Volume 2

Com Charlotte Gainsbourg, Stellan Skarsgård, Stacy Martin, Shia LaBeouf, Christian Slater, Jamie Bell, Willem Dafoe e Mia Goth. Roteirizado e dirigido por Lars von Trier (Ninfomaníaca – Volume 1).

9/10 - "tem um Tigre no cinema"Ao fim da sessão de Ninfomaníaca – Volume 2, é notório que seria melhor assistir as duas partes do novo filme de Lars von Trier juntas. No máximo, com um intervalo de quinze minutos entre uma e outra, pois fica claro que a história não foi pensada para ser dividida. Apesar disso, a segunda parte – ou melhor, o terceiro ato – tem um ritmo melhor e mais interessante. Essa indesejada quebra deve servir de incentivo para assistir o filme completo e sem cortes, como era a ideia do diretor.

Leia mais

Ninfomaníaca – Volume 1 | Crítica | Nymphomaniac – Volume 1, 2014, Dinamarca-Alemanha-França-Bélgica

Ninfomaníaca - Volume 1

Com Charlotte Gainsbourg, Stellan Skarsgård, Stacy Martin, Shia LaBeouf, Christian Slater, Uma Thurman, Sophie Kennedy Clark e Connie Nielsen. Escrito e dirigido por Lars von Trier (Anticristo).

7/10 - "tem um Tigre no cinema"Fazer uma análise de caso na maioria dos filmes de Lars von Trier é um desafio. Ele é um cineasta de várias qualidades, participou do projeto Dogma, e trouxe mais de uma obra notável ao cinema. Um dos mais impressionantes diretores de uma onda mais recente do cinema – com aspas enormes, já que ele dirige desde os anos 1980 – Trier apresenta outra obra controversa: pela duração de cinco horas, que comercialmente teve que ser divida em duas partes, e o sexo explícito, trazido do cinema pornográfico para as salas comuns. Esse universo tem suas qualidades, mas também grandes problemas. Além do questionamento do por que usar cenas reais e não sugeridas, o que torna a experiência em algo sujo, seria muito melhor se não houvesse a divisão, ou se ela fosse pensada na sala de montagem de outro jeito.

ATENÇÃO: Essa crítica não é recomendada para menores de 18 anos.

Leia mais

“Ninfomaníaca” – Lars von Trier libera pôsteres individuais dos personagens em êxtase [#NEWS]

nymphomaniac-montagem

Ninfomaníaca do diretor Lars von Trier terá cinco horas de duração e lidará com o sexo. Veja abaixo os pôsteres individuais de cada personagem em momentos de êxtase. O filme tem estreia prevista no Brasil em 10 de janeiro de 2014.

[UPDATE 11/out] Atualizado com as versões nacionais disponibilizados pela California Filmes.

E então, qual você mais gostou? Deixe uma opinião nos comentários.


characters_2BR

Leia mais

“Nymphomaniac”: Novo filme de Lars von Trier tem a primeira imagem oficial liberada [NEWS]

O filme que tem no elenco Charlotte Gainsbourg, Stellan Skarsgard, Shia LaBeouf, Jamie Bell, Uma Thurman e Willem Dafoe, terá sua premiere  no Festival de Cannes 2013, em maio. A previsão de estreia de “Nymphomaniac” no Brasil é em 20 de setembro de 2013 pela California Filmes. Clique na imagem para vê-la numa resolução maior.

"Nynphomaniac" - Primeira foto oficial | by Christian Geisnaes

Melancolia sai em DVD e Blu-Ray no Brasil ANTES da Europa! [N#001]

A assessoria de Mídias Sociais da Califórnia Filmes confirmou que o fantástico “Melancolia” de Lars von Trier, um dos melhores filmes do ano, sai na semana que vem em DVD e Blu-ray no Brasil. Praticamente um mês antes do lançamento no Reino Unido e na França. Entre os dias 12 e 13 No dia 15 de dezembro a edição nacional deve chegar às lojas. [editado em 14/12/2011]

Capa da versão inglesa do filme

A California filmes também divulgou as especificações técnicas do filme.

Aspecto de Imagem: 16:9 Letterbox (Anamórifco)

Duração aproximada: 129′

Idiomas: Inglês 5.1, Inglês 2.0 e Português 5.1 (não disseram se o audio é em HD, mas provavavelmente não é)

Legendas: Português

Extras do DVD: Sinopse, ficha técnica e trailers

Extras exclusivos do Blu-Ray (aparentemente, os mesmo da versão da terra da Rainha):

  • About Melancholia – 11’28 (entrevista com o diretor a respeito do filme);
  • Melancholia Visual Effects Featurutte – 06’42 (entrevista com Peter Hjorth sobre os efeitos especiais);
  • The Universe – 04’09 (entrevista com Peter Hjorth e um astrofísico sobre as evidências reais que foram usadas no filme);
  • The Visual Style – 09’31 (entrevista com o diretor, Peter Hjorth e o operador de câmera sobre o estilo visual do filme).

Por enquanto, só achei uma loja online fazendo a pré-venda: a Star Cine Shop. O preço ainda está impraticável. Já deixamos de pagar R$89,9 num Blu-Ray simples faz tempo, não? Mas vibro a iniciativa da California Filmes. Parabéns!

Manderlay (Manderlay, 2005, Dinamarca, EUA, entre outros) [Crítica]

Com Bryce Dallas Howard, Willem Dafoe e Danny Glover. Continuação de Dogville (2003), mostra Grace (Bryce) em 1933 encontrando uma fazenda onde a escravidão dos negros ainda é imposta. Numa jornada idealista, ela decide tomar as rédeas da situação, numa mea culpa, onde todos os brancos são culpados.

Saímos de Dogville, mas o diretor nos mostra o filme do mesmo jeito, como deveria ser: uma encenação quase teatral, sem cenários. Mas, diferente do seu antecessor, onde a situação poderia ser imposta para toda a humanidade, Trier desce toda sua raiva nos EUA. É aí onde o roteiro peca, deixando a universalidade de lado. Trier se colocou como muitos fazem, colocando todos os males do mundo nos EUA, como se outros países (e outras culturas) não usaram do meio da escravidão. Por outro lado, o roteiro e os diálogos são incrivelmente bem escritos. E o ritmo flui bem melhor que o primeiro filme, mas continuo com ressalvas com as divisões de atos que o diretor faz nesse filme (parecido com o que fez em outras películas), porque você sabe que o final chegou. Mas só Manderlay tem esse mal, pelo que vi até agora. E se Dogville tivesse o mesmo ritmo deste filme, passaria de 9,5 para 10. No fim das contas, é um filme ótimo, mas fica um pouco atrás por não nos jogar a responsabilidade, como foi na cidade anterior.

Volte para a HOME

Anticristo (Antichrist, 2009, Escandinâvia, EUA e Reino Unido) [Crítica]

Com Willem Dafoe e Charlotte Gainsbourg. Escrito e dirigido por Lars von Trier (Dogville). Depois da morte do filho pequeno, a esposa se sente culpada pelo acontecimento.

O marido, um psiquiatra, tenta tratá-la ao expô-la ao cenário que mais a amedronta: as florestas. Von Trier nos apresenta um novo clássico de sua direção. O filme é centrado nos dois personagens, que não tem nome. E quando aparece algum coadjuvantes, seus rostos são desfocados, dizendo que eles não importam em nada na narrativa. Apesar de ser a marca registrada do cineasta serem de cenários lentos, contemplativos, que também acontece aqui, nada atrapalho o desenvolvimento do cenário, que fica aos poucos apavorante, tenso, pesado e violento. Pablo Villaça, crítico de cinema, diz que o filme não pode ser interpretado literalmente. Ainda sim, é um filme de terror que tem cenas que doem de ver (para os homens principalmente). O fato é que não consigo não gostar dos filmes dele.

Para cima