Postagens Etiquetadas ‘Jeff Bridges’

Kingsman: O Círculo Dourado | Crítica | Kingsman: The Golden Circle, 2017, EUA

Kingsman: O Círculo Dourado é uma daquelas produções que é embalada pelo bom nome do filme anterior, mas tem pouco conteúdo.

Kingsman: O Círculo Dourado (Kingsman: The Golden Circle | Review

Elenco: Colin Firth, Julianne Moore, Taron Egerton, Mark Strong, Halle Berry, Elton John, Channing Tatum, Jeff Bridges, Pedro Pascal | Roteiro: Jane Goldman, Matthew Vaughn | Direção: Matthew Vaughn (Kingsman: Serviço Secreto) | Duração: 141 minutos | 3D: Irrelevante

Convenhamos, era praticamente impossível superar a aventura anterior. Mas Kingsman: O Círculo Dourado por pouco não faz um desserviço ao seu predecessor. Apesar de dinâmico, cheio de boas coreografias e até divertido em alguns momentos, a produção exagera no conjunto: seja na duração, na repetição de piadas, das várias viradas de roteiro, no dispensável uso do 3D e até na trilha sonora. Apesar do primeiro filme extrapolar em muitos assuntos, havia um frescor que sabíamos que não seria igualado. Mas na continuação há muitas conveniências que são escondidas pelo ritmo frenético, revelando furos no roteiro e resultando numa verdadeira dor de cabeça.

Leia mais

A Qualquer Custo | Crítica | Hell or High Water, 2016, EUA

A Qualquer Custo pode ser chamado de neo-western, onde o confronto entre o velho e o novo é tão forte quanto a maior das explosões.

A Qualquer Custo (Hell or High Water, 2016)

Elenco: Chris Pine, Jeff Bridges, Ben Foster, Gil Birmingham | Roteiro: Taylor Sheridan | Direção: David Mackenzie | Duração: 102 minutos

No fundo, A Qualquer Custo tem vários elementos narrativos de um western e é proposital. O cenário texano que mostra tanto a solidão quanto uma pretensa modernização é um choque de gerações – o velho e novo, o tradicional e o moderno –, uma situação que os protagonistas tentam fugir. Essa fuga das correntes do passado ao mesmo tempo lidando com problemas modernos, representando pelos bancos, tornam os personagens algo além do clássico bandidos e mocinhos do gênero influenciador de Mackenzie e Sheridan ao ponto de criarmos empatia mesmo com os fora da lei. Ou melhor, aos à margem da sociedade.

Leia mais

O Grande Lebowski | TigreCast #133 | Podcast

Vamos viajar junto do Cara até 1998 e conhecer um pouco melhor O Grande Lebowski dos Irmãos Coen nesse podcast? Oh, Dude…


O Grande Lebowski | TigreCast 133 | Podcast

Yeah, well. The Dude abides.” – The Dude

Cara… oh, Cara… Tem tanta loucura aqui hoje, tanto flower power, Jesus, boliche, arte vaginal, drogas… e O Cara! Vamos relaxar um pouco com um white russian e discutir O Grande Lebowski (The Big Lebowski, 1998), dirigido por Joel Coen e Ethan Coen e contando no elenco com Jeff Bridges, John Goodman, Julianne Moore, Steve Buscemi, Tara Reid e o já saudoso Philip Seymour Hoffman.

Tiago Lira, o Tigre (@otigre1982), Marcelo Paradella (@bolapucc) e Matheus Des (@matheusdes fazem uma viagem até 1998 e na filmografia dos até agora impecáveis irmãos Coen. Relembram também a carreira do elenco, pescam referências e dão risadas, muitas risadas.

Leia mais

Reproduzir

O Sétimo Filho | Crítica | Seventh Son, 2015, EUA

Com Julianne Moore e Jeff Bridges O Sétimo Filho é uma aventura como tantas outras e que, além de tudo, chega a ser preconceituosa.

Seventh Son, 2015

Com Jeff Bridges, Ben Barnes, Alicia Vikander, Kit Harington, Olivia Williams, Antje Traue, Djimon Hounsou, Jason Scott Lee e Julianne Moore. Argumento de Matt Greenberg. Roteirizado por Charles Leavitt e Steven Knight, baseado no romance de Joseph Delaney. Dirigido por Sergei Bodrov.

3/10 - "tem um Tigre no cinema"Bater na tecla de que uma história não é original é uma batalha perdida e, ainda por cima, injusta, já que todo o compêndio de histórias são adaptações e misturas do que vimos nas mitologias e Shakespeare. O problema é como esses clichês são usados, e em O Sétimo Filho temos um conto bagunçado, pouco empolgante e com os mesmos temas com o diferencial apenas de se passar no nosso mundo, por assim dizer, influenciado pela cultura cristã. Com alguns momentos divertidos, esse é apenas mais um entre já consagrados filmes de fantasia. Tem pouco a mostrar e seu valor estará em levar os espectadores de volta às obras que antes influenciaram esses cineastas.

Sinopse Oficial

Em um tempo de encantamento em que lendas e magias se colidem, John Gregory (Jeff Bridges), o único guerreiro remanescente de uma ordem mística, viaja para encontrar um herói profetizado que nascera com poderes incríveis, o Sétimo Filho Tom Ward (Ben Barnes). Arrancado de sua vida tranquila de colono, o improvável jovem herói embarca em uma aventura ousada com o seu mentor para combater a rainha da escuridão Mãe Malkin (Julianne Moore) e o exército de assassinos sobrenaturais que assombram o reino.”

Leia mais

O Sétimo Filho – adaptação de “O Aprendiz” – ganha trailer legendado | #NEWS

Sétimo Filho | Trailer legendado

Fã de Joseph Delaney e de Tom Ward, personagem de “O Aprendiz” ? Pois bem, hoje a Universal Pictures Brasil O Sétimo Filho, que adapta a obra, ganha primeiro trailer legendado. É só dar o play aqui embaixo.

Leia mais

O Doador de Memórias | Crítica | The Giver, 2014, EUA

Em O Doador de Memórias, com Taylor Swift e Jeff Bridges, falta profundidade ao tratar alguns temas, mas se sai bem nos filmes de universos distópicos.

O Doador de Memórias, 2014

Com Jeff Bridges, Meryl Streep, Brenton Thwaites, Alexander Skarsgård, Odeya Rush, Katie Holmes e Taylor Swift. Roteirizado por Michael Mitnick e Robert B. Weide, baseado no romance de Lois Lowry. Dirigido por Phillip Noyce.

6/10 - "tem um Tigre no cinema"Uma distopia após outra, e o cinema para jovens adultos vai ficando com a mesma identidade. Sabemos como Hollywood funciona: os produtores pegam uma ideia que funciona (ou uma atriz ou casal) e a espreme até que não saia mais nada. Isso não é culpa de O Doador de Memórias, baseado num livro de 1993. Com ideias boas, o filme tem certo destaque nesse mundo que ajudou a criar, mas que só participa agora. No entanto, faltou profundidade ao tratar alguns temas que podem estar presentes no original, mas que se perderam na adaptação.

Leia mais

Eu bebo sim, e tô vivendo! | TigreCast #51 | Podcast

tigrecast051

Como deixar passar o número da nossa cachaça em branco? Sendo muito óbvios, Tiago, o Tigre (@otigre1982), José Rodrigo Baldin (@JRodBaldin) e Tullio Dias (@2t_dias) fazem uma seleção de filmes altamente etílicos que você DEVE assistir:

Coração Louco (Crazy Heart, 2009, Dir Scott Cooper);
Sideways – Entre Umas e Outras (Sideways, 2004, Dir Alexander Payne);
Despedida em Las Vegas (Leaving Las Vegas, 1995, Dir Mike Figgis); e
Farrapo Humano (The Lost Weekend, 1945, Dir Billy Wilder).

spoilers leves sobre todos os filmes. E ouça as edições anteriores em http://umtigrenocinema.com/tigrecast

Dê o play aqui embaixo, ó:

Ou clique AQUI com o botão direito do mouse e escolha “Salvar destino/link como…”

[papo cinéfilo]
• Cinema e pipoca (e outras comidas) combinam?

[momento musical]
• The Weary Kind (Ryan Bingham e T-Bone Burnett) da trilha sonora de Coração Louco

[críticas, comentários e voadoras no baço]
• email:
contato@umtigrenocinema.com
• twitter:
@tigrenocinema
• facebook:
http://www.facebook.com/umtigrenocinema
iTunes:
assine aqui
• FEED:
assine aqui

[apoio]
Portal São Paulo Digital

Volte para a HOME

 

 

Reproduzir

R.I.P.D. – Agentes do Além (R.I.P.D., 2013, EUA) [Crítica]

"R.I.P.D.", 2013

Com Jeff Bridges, Ryan Reynolds, Kevin Bacon, Mary-Louise Parker, Stephanie Szostak, James Hong e Marisa Miller. Roteirizado por Phil Hay e Matt Manfredi. Dirigido por Robert Schwentke (Te Amarei Para Sempre | RED).

5/10 - "tem um Tigre no cinema"Existem fórmulas que são repetidas porque já funcionaram. Um dos clichês mais utilizados é a parceira policial, com um personagem mais experiente e um novato. “R.I.P.D. – Agentes do Além” é só mais um desse estilo. Tem momentos espirituosos e até divertidos, que se perdem em outros filmes do gênero. Sua colcha de retalhos de outras histórias não sustentam a produção, sendo apenas um entretenimento efêmero, onde os personagens são poucos interessantes, tendo graça mesmo nos seus inesperados disfarces.

Leia mais

Para cima