Postagens Etiquetadas ‘David Lindsay-Abaire’

Poltergeist: O Fenômeno | Crítica | Poltergeist, 2015, EUA

Poltergeist, 2015

Com Sam Rockwell, Rosemarie DeWitt, Jared Harris, Jane Adams, Saxon Sharbino, Kyle Catlett e Kennedi Clements. Roteirizado por David Lindsay-Abaire, baseado no original de Steven Spielberg, Michael Grais e Mark Victor. Dirigido por Gil Kenan (A Casa Monstro).

5/10 - "tem um Tigre no cinema"Remakes existem desde que Hollywood é Hollywood. É um método que você pode considerar honesto ou não, mas que também pode se tornar uma porta de entrada para que o público visite – ou revisite – um clássico. E o que Poltergeist: O Fenômeno traz é medo: e não medo de fantasmas ou cemitérios amaldiçoados, mas um grande receio de fazer o retorno ao filme de Tobe Hopper. Ainda que essa sensação com o original esteja errada para alguém que não o vê a anos, a versão atual é competente em vários aspectos, porém falha na principal que é assustar o espectador.

Sinopse oficial

O lendário cineasta Sam Raimi e o diretor Gil Kenan contemporizam o clássico sobre a família que vive em uma casa assombrada por forças malignas. Quando as terríveis aparições se tornam mais frequentes e a filha mais nova é capturada, a família deve se unir para resgatá-la antes que ela desapareça para sempre”.

Leia mais

Oz: Mágico e Poderoso | Crítica | Oz the Great and Powerful, 2013, EUA

Oz: Mágico e Poderoso é mais adorável pela homenagem ao mundo que conhecemos tão bem graças ao clássico do que a própria produção em si.>/p>

Oz: Mágico e Poderoso, 2013

Com James Franco, Mila Kunis, Rachel Weisz, Michelle Williams, Zach Braff, Bill Cobbs e Joey King. Roteirizado por David Lindsay-Abaire e Mitchell Kapner, baseado nos livros de L Frank Baum. Dirigido por Sam Raimi (Homem-Aranha).

6/10 - "tem um Tigre no cinema"Lembremos-nos de “O Mágico de Oz” e o que fez o filme ser, e continuar, um sucesso. Grandioso e ousado para época, com uma bela mensagem e que encantou gerações. Apesar da história original do livro ter diversas continuações, não existia um prequel. E Sam Raimi e a Disney se arriscaram e fizeram outro filme grandioso, e tecnicamente perfeito. Já o roteiro em si não é ousado, e tem vícios comuns no cinema hollywoodiano atual. Enfim, é nada mais que uma boa diversão. Mas pelo menos faz homenagem ao mundo de Oz e ao próprio cinema.

Leia mais

Para cima