Postagens Etiquetadas ‘Courtney B. Vance’

A Múmia | Crítica | The Mummy, 2017, EUA

O primeiro passo dado no Dark Universe em A Múmia é confuso, pouco divertido e aposta mais na ação do que no terror que os inspirou.

A Múmia (The Mummy) 2017

Elenco: Tom Cruise, Sofia Boutella, Annabelle Wallis, Jake Johnson, Courtney B. Vance, Marwan Kenzari, Russell Crowe | Roteiro: David Koepp, Christopher McQuarrie, Dylan Kussman | Argumento: Alex Kurtzman, Jon Spaihts, Jenny Lumet | Direção: Alex Kurtzman (Bem Vindo à Vida) | Duração: 107 minutos | 3D: Irrelevante

Imagine um universo regido por deuses e monstros. Imagine um universo regido por boas histórias, com bons diretores, maturando com o tempo. É bom que você imagine porque não é isso que encontramos no remake de A Múmia, um dos filmes menos inspirados dos últimos tempos. Existe uma tentativa de fazer um universo coeso desde agora e o paralelo com o filmes de super-heróis não escapa da nossa mente com o Dark Universe chegando. Mas a primeira incursão é uma costura de clichês de outras aventuras, tem uma direção que não consegue manter o foco e um roteiro cheio de conveniências e ex-machinas. Não é um pontapé inicial certeiro, confirmando uma impressão de que houve correria para criar esse novo-velho mundo só depois que essa produção já tinha começado.

Leia mais

A Última Ressaca do Ano | Crítica | Office Christmas Party, 2016, EUA

A Última Ressaca do Ano (2016)

Elenco: Jason Bateman, Olivia Munn, T. J. Miller, Jillian Bell, Courtney B. Vance, Kate McKinnon, Jennifer Aniston | Roteiro: Justin Malen, Laura Solon, Dan Mazer | Argumento: Jon Lucas, Scott Moore, Timothy Dowling, Guymon Casady | Direção: Will Speck, Josh Gordon

A Última Ressaca do Ano funcionaria se fosse um curta metragem ou um daqueles especiais de fim de ano.

4/10 - "tem um Tigre no cinema"A Última Ressaca do Ano é um filme que lembra aqueles quadros de festas da televisão que reúne alguns nomes conhecidos – outros nem tanto – numa descompromissada diversão para encerrar o ano em alto astral. E se fosse isso, um programa curto com trinta minutos ou mesmo uma hora, funcionaria melhor. O que acontece é que não há muito história para analisar e o resultado final é esticado para quase cem minutos, mais comerciais, que servem para preencher um horário na sala de cinema. O resultado é um filme com algumas risadas, mas não o suficiente para sair mais leve do que quando entramos.

Leia mais

Para cima