Arquivo para a Categoria ‘6/10’

Vida | Crítica | Life, 2017, EUA

Vida homenageia tanto outra grande franquia do terror especial que acaba se perdendo e ficando sem alma.

Vida (Life) 2017

Elenco: Jake Gyllenhaal, Rebecca Ferguson, Ryan Reynolds, Hiroyuki Sanada, Ariyon Bakare, Olga Dihovichnaya | Roteiro: Rhett Reese, Paul Wernick | Direção: Daniel Espinosa (Protegendo o Inimigo) | Duração: 103 minutos

Imagine caminhar no calcanhar de gigantes, com comparações inevitáveis. Espinosa optou, mesmo com um orçamento e um elenco de peso em mãos, fazer uma grande homenagem ao gênero do terror espacial em Vida: nada de original, sem deixar de apontar essas influências, tanto clássicas quanto as mais modernas. Isso, em geral, deixa a produção com um ar de pouca personalidade, mas que ao menos tem momentos de tensão que serão suficientes para deixar o espectador atento e preso na história. E com pouquíssima ousadia, a história acaba valendo a pena mais para caçar as referências a entender a história em si.

Leia mais

Velozes e Furiosos 8 | Crítica | The Fate of the Furious, 2017, EUA

Velozes e Furiosos 8 volta mirando no seu público cativo e na esperança de segurá-los até o próximo filme da franquia.

Velozes e Furiosos 8 (The Fate of the Furious), 2017

Elenco: Vin Diesel, Dwayne Johnson, Jason Statham, Michelle Rodriguez, Tyrese Gibson, Chris Bridges, Nathalie Emmanuel, Kurt Russell, Scott Eastwood, Charlize Theron, Helen Mirren | Roteiro: Chris Morgan | Direção: F. Gary Gray (Straight Outta Compton) | Duração: 136 minutos | 3D: Irrelevante

Velozes e Furiosos 8 é exatamente isso: um Velozes e Furiosos. Apesar de ser mais do mesmo, o filme tem se destaca na direção de Gray, com posicionamentos de câmera nos lugares certos para podermos colocar ordem nos pensamentos, enquanto presenciamos explosões, corridas, frases de efeito e pancadas – muitas pancadas, aliás – numa produção demasiadamente longa, porém divertida. A vantagem é que o filme não se vende como nada além do que é nas suas sequências de cortes rápidos, desafios extraordinários e anti-heróis que aprendemos a gostar durante os últimos anos. E repetindo a fórmula, a franquia continua agrando o seu público cativo e com receio de inovar.

Leia mais

Despedida em Grande Estilo | Crítica | Going in Style, 2017, EUA

O remake de Despedida em Grande Estilo é uma diversão leve e engraçada que consegue encontrar também um tom melancólico.

Despedida em Grand Estilo (Going in Style) 2017

Elenco: Morgan Freeman, Michael Caine, Alan Arkin, Matt Dillon, Christopher Lloyd, John Ortiz | Roteiro: Theodore Melfi (Estrelas Além do Tempo) | Baseado em: Despedida em Grande Estilo (Martin Brest, 1979) | Direção: Zach Braff (Lições em Família) | Duração: 96 minutos

A intenção de Despedida em Grande Estilo é fazer a audiência se sentir bem, assim como qualquer um daqueles clássicos que reprisam várias vezes na TV (chamados de “Sessão da Tarde”). Ao mesmo tempo, há uma tristeza inerente sobre como os idosos são tratados – isso, em especial, pode pegar os brasileiros com os rumos atuais de algumas decisões políticas. Assim, a produção não tem grandes pretensões além de ser divertido e um tanto leve, mesmo que use alguns elementos sérios para isso, contando com a ajuda do trio de protagonistas que de tão soltos parecem estar interpretando a si mesmos.

Leia mais

O Poderoso Chefinho | Crítica | The Boss Baby, 2017, EUA

O Poderoso Chefinho é uma história bem infantil e divertida para os pequenos que são o público-alvo.

O Poderoso Chefinho (The Boss Baby) 2017

Elenco: Alec Baldwin, Miles Christopher Bakshi, Steve Buscemi, Jimmy Kimmel, Lisa Kudrow | Roteiro: Michael McCullers | Baseado em: The Boss Baby (Marla Frazee) | Direção: Tom McGrath (Madagascar) | Duração: 97 minutos | 3D: Relevante | Cena Extra

É um tanto injusto falar de um filme que claramente não foi pensado para você. O Poderoso Chefinho é para audiências muito novas: entre quatro e sete anos, não muito mais que isso e avalia-lo com o peso de outras animações de ar mais questionador e sério não seria correto. É uma história muito simples, leve e indicada para aquele programa de família, e o grande trunfo é que não será uma experiência tediosa para os pais. As crianças vão se impressionar com as cores e aventuras que os personagens passam, enquanto os mais velhos que os acompanharem vão poder curtir a reação deles, essa sim uma diversão.

Leia mais

T2 Trainspotting | Crítica | T2 Trainspotting, 2017, Reino Unido

T2 Trainspotting é como visitar velhos amigos quando se tem pouco a compartilhar, valendo mais pela presença deles do que outra coisa.

T2 Trainspotting (2017)

Elenco: Ewan McGregor, Ewen Bremner, Jonny Lee Miller, Robert Carlyle, Kelly Macdonald, Anjela Nedyalkova | Roteiro: John Hodge | Baseado em: Trainspotting e Porno (Irvine Welsh) | Direção: Danny Boyle (127 Horas) | Duração: 117 minutos

É normal sentirmos saudades de alguém ou de uma fase da nossa vida e o que Danny Boyle fez em T2 Trainspotting é revisitar seus velhos amigos. Se no campo das emoções isso funciona, no cinematográfico nem tanto. A nostalgia simples e pura não é suficiente para criar uma história envolvente ou relevante e a direção misturando várias estéticas, mas sem foco, mostra um Boyle perdido e que não parece saber o que está fazendo. É interessante ver como os personagens evoluíram (ou não) depois de duas décadas, e é um exercício mais interessante para o diretor, mas que não se reflete tão bem na narrativa.

Leia mais

Paraíso | Crítica | Рай, 2016, Rússia

Paraíso é um filme de Guerra como uma entrevista, dando voz aos anônimos de um dos maiores conflitos da história.

 

Paraíso (2016)

Elenco: Yuliya Vysotskaya, Philippe Duquesne, Viktor Sukhorukov | Roteiro: Elena Kiseleva, Andrei Konchalovsky | Direção: Andrei Konchalovsky (Tango e Cash) | Duração: 130 minutos

Filmes abordando a Segunda Guerra Mundial existem aos baldes, mas poucos fogem de explosões, do heroísmo e do exacerbado patriotismo – principalmente quando falamos de Hollywood. Por isso vale a pena encarar o longa-metragem Paraíso, falado em russo e alemão, para termos uma visão mais intimista daquela época e seus terrores. Não é baseado em um personagem real – mesmo que Andrei Konchalovsky use a estética para deixar a experiência mais próxima da realidade –, mas é uma homenagem às pessoas comuns que quiseram fazer o que era certo, sem deixar de abordar as questões, dúvidas e egoísmos que também nos fazem humanos.

Leia mais

Animais Fantásticos e Onde Habitam | Crítica | Fantastic Beasts and Where to Find Them, 2016, Reino Unido

Animais Fantásticos e Onde Habitam (2016)

Elenco: Eddie Redmayne, Katherine Waterston, Dan Fogler, Alison Sudol, Ezra Miller, Samantha Morton, Jon Voight, Carmen Ejogo, Colin Farrell | Roteiro: J. K. Rowling | Baseado em: Fantastic Beasts and Where to Find Them (J. K. Rowling) | Direção: David Yates (A Lenda de Tarzan)

Animais Fantásticos e Onde Habitam é uma história bem simples, com momentos divertidos e que tenta agradar uma nova geração para o universo de J.K. Rowling.

6/10 - "tem um Tigre no cinema"Existem dois pontos positivos em Animais Fantásticos e Onde Habitam: em primeiro lugar, é um filme bem divertido. E em segundo, contém-se em si mesmo (quase), sem a necessidade extrema de uma continuação – ainda que saibamos que ela irá acontecer. Rowling e Yates revisitam o Mundo Bruxo™ com uma mistura de saudosismo com um olhar para frente. Os fãs de Harry Potter e companhia se sentirão bem ao revisitar o universo iniciado pela autora em 1997, mas precisarão entender que esse filme não foi feito para quem cresceu com o bruxo. A proposta é de alcançar um público hoje infanto-juvenil, numa produção que tem o espírito pueril da primeira aventura de Potter. O que torna a produção muito simples em geral.

Leia mais

Ouija: Origem do Mal | Crítica | Ouija: Origin of Evil, 2016, EUA

Ouija: Origem do Mal (2016)

Elenco: Henry Thomas, Annalise Basso, Elizabeth Reaser, Lulu Wilson, Parker Mack, Kate Siegel, Alexis G. Zall | Roteiro: Mike Flanagan, Jeff Howard | Direção: Mike Flanagan (O Sono da Morte)

Ouija: Origem do Mal homenageia grandes clássicos do terror e é o mais comum da carreira de Mike Flanangan

6/10 - "tem um Tigre no cinema"Para alguém tão prolífico como Mike Flanangan, não é de se espantar que trabalhos menores aparecessem mais cedo do que tarde. Na sua terceira produção em 2016 – anteriormente Hush: A Morte Ouve e Sono da MorteOuija: Origem do Mal é o filme mais comum do diretor. Com o peso de Michael Bay como produtor, Flanagan é contratado para dirigir e escrever apenas para estimular a venda de um jogo de tabuleiro. Essa abordagem mais comercial diminui o filme com seus sustos telegrafados e pouca sutileza. O que ajuda a produção é a atuação da mais jovem das atrizes, primazia pela estética, fotografia e figurinos. Porém, fica a sensação desta ser a mistura de outros melhores exemplos do gênero numa produção parcialmente eficiente.

Leia mais

Kubo e as Cordas Mágicas | Crítica | Kubo and the Two Strings, 2016, EUA

Kubo e as Cordas Mágicas (2016)

Elenco: Charlize Theron, Art Parkinson, Ralph Fiennes, Rooney Mara, George Takei, Matthew McConaughey | Argumento: Shannon Tindle, Marc Haimes | Roteiro: Marc Haimes, Chris Butler | Direção: Travis Knight

Kubo e as Cordas Mágicas é um belíssimo filme que peca por ser comum demais, ainda que emocione em muitos pontos.

6/10 - "tem um Tigre no cinema"Por dentro da animação impecável de Kubo e as Cordas Mágicas bate um coração melancólico. É uma daquelas produções feita para as crianças que estão transitando de uma fase da vida para a outra, onde a percepção do mundo e de vida e morte já estão mais claras. Entre cenários e personagens fantásticos, encontramos um mundo rico em aventura e desafios, mas também cheio de dúvidas e perigos. Porém, ela é óbvia em alguns de seus mistérios, o que frustra a audiência mais madura, ainda que equilibre os elementos de aventura e sensibilidade. Não é apenas uma reflexão descompromissada e apoiada pela qualidade técnica, mas precisava ser menos comum.

Leia mais

Meu Amigo, o Dragão | Crítica | Pete’s Dragon, 2016, EUA

Meu Amigo, o Dragão (2016)

Elenco: Bryce Dallas Howard, Oakes Fegley, Wes Bentley, Karl Urban, Oona Laurence, Isiah Whitlock, Jr., Robert Redford | Roteiro: David Lowery, Toby Halbrooks | Baseado em: Meu Amigo, o Dragão (1977, Dir Don Chaffey) | Direção: David Lowery

Remake dos anos 1970, Meu Amigo, o Dragão diverte os mais novos, mas é bem óbvio e extremamente conservador.

6/10 - "tem um Tigre no cinema"Meu Amigo, o Dragão é focado exclusivamente na audiência infantil. Analisando por esse lado, funciona no desenvolvimento básico e um tanto óbvio. Há uma segunda camada, que os mais novos provavelmente não perceberam, uma mensagem ecológica e contra a cultura da caça desportiva tão comum em variadas partes dos Estados Unidos. O filme passa mais despercebido nessa onda de remakes que a Disney tem trazido para reapresentar suas obras mais famosas ao novo público. Mas é uma narrativa leve, dinâmica e agradável de ser assistida. Apesar de que, quando nós comparamos com outras investidas recentes, é a mais conservadora até agora.

Leia mais

Desculpe o Transtorno | Crítica | Brasil, 2016

Desculpe o Transtorno (2016)

Elenco: Gregorio Duvivier, Clarice Falcão, Dani Calabresa, Marcos Caruso, Rafael Infante, Daniel Duncan, Zezé Polessa | Argumento: Pedro Carvalhaes | Roteiro: Tatiana Maciel, Célio Porto | Direção: Tomas Portella (Operações Especiais)

Desculpe o Transtorno é agradável e consegue tirar risadas, ainda que trabalhe com estereótipos e clichês.

6/10 - "tem um Tigre no cinema"Antes de assistir Desculpe o Transtorno paira a dúvida para qual lado o filme pende mais. Depois de entender que é uma comédia romântica, não é de se espantar que ele siga mais para o lado do romance. Porém, não é um demasiadamente açucarado e há muitos momentos engraçados. E apesar de ter um desfecho previsível, o caminho que Tatiana Maciel e Célio Porto tomam tem percalços pouco comuns na narrativa da comédia nacional – inclusive com a liberdade de alguns palavrões –, não traz nada de novo, reforça alguns estereótipos da rixa São Paulo e Rio de Janeiro, mas é suficientemente leve para agradar quem já não aguenta mais piadas com gente gritando.

Leia mais

O Homem nas Trevas | Crítica | Don’t Breath (2016) EUA

O Homem nas Trevas (2016)

Elenco: Jane Levy, Dylan Minnette, Daniel Zovatto, Stephen Lang | Roteiro: Fede Alvarez, Rodo Sayagues | Direção: Fede Alvarez (A Morte do Demônio)

O Homem nas Trevas tem momentos de tensão e é bem dirigido, mas desmorona perto da conclusão.

6/10 - "tem um Tigre no cinema"Fede Alvarez é um diretor competente, mas isso não salva o roteiro de O Homem nas Trevas. Tocando de leve na decadência da cidade de Detroit e os horrores da Guerra, o diretor perde a oportunidade de fazer uma crítica mais contundente a esses temas com uma resolução cretina do personagem título e antagonista do trio de amigos ladrões. São boas ideias, inclusive com um plot twist interessante. Porém, falta ritmo, falta equilíbrio nos personagens e nas soluções que nos são apresentadas. Pelo menos, a experiência não é terrivelmente irritante quanto seu filme anterior, o que podemos considerar uma evolução.

Leia mais

Para cima